category: 37
category: 68
category: 84
Dia de atrações culturais na Zona Norte - Site do bairro do Fonseca

Dia de atrações culturais na Zona Norte

d1fd-mg1136-150055
Dia de atrações culturais na Zona Norte

Evento contou com atividades para crianças e apresentação de grupo

Reunindo atrações culturais e debates, aconteceu neste sábado (26), no Horto do Fonseca, o primeiro festival do movimento “Niterói Contra a Redução da Maioridade Penal”, que existe há seis meses na cidade e é coordenado pelo advogado e mestrando da Universidade Federal Fluminense (UFF) Marcos Kalil.

O evento contou com atividades de recreação para as crianças, como brincadeiras com bambolê e com bola, além da apresentação do grupo de música e dança carioca Dream Team do Passinho, apoiador da causa. “Somos um movimento suprapartidário e buscamos o apoio de quem se interessar pela causa contra a redução da maioridade penal. No Brasil já existe o Amanhecer, cuja luta é a mesma, porém, em âmbito nacional. Buscamos o mesmo viés para discutir o tema, que é tão polêmico e sério, mas que necessita ser melhor entendido”, pontua Marcos Kalil.

De acordo com Marcos, o festival tem duas frentes: a ocupação do espaço público para proporcionar a discussão e, em um segundo momento, reunir os apoiadores. “Se todos olharem os números vão ver que o Brasil, nos últimos 20 anos, teve o maior crescimento da população carcerária do mundo. Nós temos a terceira maior população carcerária do mundo, são cerca de 720 mil pessoas presas. E grande parte dessas pessoas são negras e pobres. Há uma criminalização da pobreza. Quando você vai olhar a estatística dos homicídios no País, 77% são jovens, negros e homens. Toda vida é importante, mas se identificarmos a verdadeira vítima, faz com que atuemos na causa do problema para não ficar eternamente lidando com os efeitos”, salienta Marcos.

A jornalista Raquel Junia de Magalhães, de 31 anos, mora na Ponta da Areia, mas fez questão de ir apoiar a causa do encontro no Fonseca. “Acho esse tema superurgente. Sou completamente contra, porque não resolve o problema. É como enxugar gelo. Hoje a gente reduz para 16 anos, amanhã para 14, e depois para 12. Acho que estariam cometendo um crime contra a nossa juventude ao fazer isso”, argumenta Raquel. No mês passado, a votação na Câmara dos Deputados aprovou em 2º turno a redução da maioridade penal, que vale para crime hediondo, homicídio doloso e lesão com morte. A proposta agora segue para o Senado, onde passará por duas votações, ainda sem data.

Fonte: http://www.ofluminense.com.br